Para quem quer ter sempre os cabelos impecáveis, elegantes, arrumados, o primeiro passo é desmistificar o fato de que as chapinhas não são saudáveis para os cabelos. É chapinha não faz mal aos cabelos quando usada adequadamente, ela não agride os fios caso seja usada de forma correta, e evitando usa-las todos os dias.

O que faz com que a chapinha seja ou não benéfica aos cabelos é a forma de uso. Segundo pesquisas 60% das brasileiras tem cabelos ondulados, fato que torna imprescindível o uso de chapinhas.
E mesmo as que têm os cabelos lisos usam o equipamento para moldar com um auxilio na hora de arruma os cabelos.

Diante dessas informações se percebe a necessidade do uso no dia a dia das mulheres, o fato histórico é que a chapinha se popularizou nos salões e casas por volta do ano 2000 e a partir daí cresceu também o hábito de modelar os cabelos, com as conhecidas chapinhas ou pranchas.

Para utilizar uma chapinha com dupla função prefira aquelas que além de alisar também modela os fios, fazendo cachos. Mas a chapinha também possui opositores, acreditando alguns que o equipamento enfraquece os fios e aumenta o efeito frizz.

O que muitos esquecem é que os efeitos negativos podem ser minimizados se o uso for correto e por isso é necessário sempre se lembrar de algumas dicas de uso.
A primeira dica é que vale ouro, pois um cabelo bem hidratado está preparado tanto para evitar a danificação pelo uso de chapinhas quanto para evitar essa danificação devido ao clima, tipo de cabelo e necessária hidratação para que o cabelo continue saudável.

Os resíduos deixados pela lavagem incorreta dos cabelos também possibilita a oleosidade fazendo com que os fios sejam selados e o efeito da chapinha seja um calor excessivo sobre os fios.
Para minimizar prefira lavar o cabelo com xampus anti – resíduos já encontrados no mercado.

E por último vale a pena frisar que o número de uso da chapa deve ser coerente e não ultrapassar a média de duas vezes por semana, que é o suficiente.
E o limite de temperatura deve ser também levado em consideração, não passado de 180°C a 200°C.